quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Desapegando da necessidade de ser

A gente sempre vê por aí aquela máxima de que é mais importante ser do que ter. Até que concordo um pouco. Possuir e acumular objetos não deveria ser tão valorizado quanto é, o que só aumenta o consumismo e gera uma insatisfação constante.

O problema é que há hoje uma pressão por "ser" que também não me parece saudável. Gera tanta ansiedade e frustração quanto a pressão do consumo, e na maior parte das vezes também consome tempo, dinheiro e nossas energias.

A gente tem que ser feliz, bem sucedido profissionalmente, rico, saudável, magro, culto, viajado, falante de várias línguas, praticante de esportes, bem informado, engraçado, sociável, bem humorado... Bônus se a gente tocar um instrumento, saber dançar ou desenhar, cozinhar pratos exóticos... A lista é enorme. No caso das mulheres, temos ainda toda uma pressão para sermos bonitas.

Eu lembro da época da faculdade em que a Lud brincava que sempre estava na capa da revista que "fulana perde 20 quilos" e que a gente ficava se comparando e se sentindo mal, quando na verdade a gente conquistava várias outras coisas que não apareciam nas capas de revista, como passar no exame da OAB (ela tinha acabado de fazer o exame, na época). É um ponto válido. 

Mas não pára por aí. As exigências da sociedade não são apenas estéticas. Há toda uma lista de coisas na vida que você deve ser. É tão exaustante, e tão limitador. 

É preciso tomar cuidado para não entrar nessa neurose, e para não substituir uma compulsão (a de consumir) por outra (a de ser).

10 comentários:

  1. Concordo com cada palavra!!!

    ResponderExcluir
  2. É mesmo. Cada um tem de ser pela sua própria cabeça e não para corresponder a esteriotipos criados por outros e que na maioria dos casos não tem nada a ver com o que lhes faz feliz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também acho que é o ideal, mas nem sempre é fácil ter consciência disso e resistir às pressões, não é? É um exercício constante.

      Excluir
  3. Tudo cai de novo na pressão por ter determinada aparência... Pq não basta ser, tem que mostrar que é. A gente tem que ter a aparência de alguém que tem controle absoluto sobre cada mínimo detalhe da vida. Eu cheguei num ponto em que eu desconfio seriamente das pessoas que parecem ser coisas demais...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hehe... Dá para desconfiar mesmo. Mas mesmo quem foge da aparência geralmente cai pro lado das exigências intelectuais, o que também é meio opressivo e excessivo. Dureza...

      Excluir
  4. Sabe o que é pior? Tem coisas que não são nada naturais para mim, e por um tempo eu me condenei por não sê-las.
    Hoje eu procuro não me importar mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ótimo, Tatiana! Eu também procuro, e cada vez consigo me preocupar menos :)

      Excluir
  5. Acho que isso acontece porque o capitalismo contemporâneo parou apenas de vender produtos e passou a vender experiências e estilo de vida; as experiências viraram commodities.
    A Apple deixa isso claro com a propaganda "Think Different". A lógica por trás dessa propaganda é que se você compra um produto Apple está adquirindo um estilo de vida "revolucionário", um "ser" diferente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem toda razão. As propagandas são cada vez mais baseadas na imagem que o produto dá para a pessoa do que nas qualidades dele em si. Bem pensado...

      Excluir