sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Guest post: Descartando coisas e crenças

A Fer Santos deixou um depoimento ótimo nos comentários e eu pedi a ela para transformá-lo em um guest post. Achei muito legal encontrar alguém que faz os mesmos questionamentos - e encontra a mesma alegria nos resultados - que a Fernanda aqui do blog e eu.

Às vezes me parece que, para uma boa quantidade de mulheres, o minimalismo é complicado porque toca em um ponto nevrálgico: a aparência, e a nossa crença que precisamos ser belas para termos valor. Dá pra ser feliz sem um armário cheio de roupas e um banheiro cheio de cosméticos? Eu acho que dá, e a Fer acha também.

"Estou num processo intenso de avaliação dos meus valores como mulher e sobretudo como pessoa. E por isso estou te escrevendo pra dar um depoimento sobre a minha entrada no minimalismo.

Sempre fui uma criança peralta e curiosa. Gostava de ler. Tenho TDAH e por isso tinha hiperfocos de passar 3 dias seguidos lendo um livro sem querer fazer mais nada.Também gostei de Barbie, de brincar na rua, jogar futebol, fui uma criança feliz.

Mas aí chegou a adolescência e com ela todo tipo de encanações com a minha aparência. Eu não me achava bonita, nunca achei. Todo mundo dizia que eu tinha um corpo lindo, mas que meu nariz de batata e meu cabelo cacheado me deixava com cara de pobre. Sim, diziam ISSO. E hoje vejo q essa frase contém tantos absurdos (nariz e cacho classifica alguém socialmente? Ser pobre é defeito?) que prefiro nem me delongar nisso.

E nessa acabei crescendo com alguns valores bem distorcidos em relação a auto-imagem.
Maquiagem não era pra me sentir bonita, brincar com as cores. Maquiagem, pra mim, tinha uma função corretiva, de esconder meus “defeitos horríveis”.

Comecei a comprar muita roupa, andar super arrumada pra ficar “bonita”. Gastei fortunas nisso.

Sempre odiei salto, mas tinha vários pares pq “mulher sem alto não dá” e “tu tem corpão, mostra essas pernas que são o teu forte”.

Sempre gostei de ler, mas nos últimos anos percebi uma compulsão na compra de livros e não na leitura deles. Hoje vejo que comprava tantos livros porque eles representavam a imagem q eu queria projetar .

Tudo isso porque na minha cabeça, pra me sentir aceita eu tinha que estar adequada. E adequada, pra mim, era mais do q ser inteligente, culta, arrumada e bonita. ERA PARECER TUDO ISSO.

Só que esse ano fiz 34 anos. E começou a me bater um sentimento de PORQUE RAIOS EU VOU ME IMPORTAR COM QUEM SÓ VAI ME JULGAR? Por que eu preciso deixar de tomar cerveja com meus amigos pra passar o sábado no cabeleireiro? Por que é coisa de mulher? QUEM DISSE?

Resolvi adotar o minimalismo e está sendo libertador, porque eu não estou só descartando COISAS, mas sobretudo CRENÇAS que me aprisionavam.

Faz três meses que não compro NADA, doei várias coisas, sobretudo roupas q não combinavam comigo. Também parei de fazer as unhas, doei todos os meus saltos altos. Meu marido (q é única pessoa q me importa nesse contexto) me acha bonita e bacana de qualquer jeito.

Ainda uso corretivo, rímel. Adoro me maquiar, usar batom vermelho, acho lindo, teatral. Mas é um processo mais consciente, e sobretudo mais divertido. Curtição mesmo.

Mas é todo um processo. E teu blog me ajudou muito nesse sentido."

Gato feliz. Igual a gente.

5 comentários:

  1. Nossa! Que legal!
    Tanta coisa com que me identifico.
    Desde ler livros obsessivamente por 3 dias, passando por tentar me corrigir toda na adolescência, até por essa epifania de se pegar no salão enquanto os outros se divertem. No meu caso, era eu fazendo unha e meu namorado jogando futebol.
    Mas eu confesso que essa de fazer unha no salão eu ainda não venci. Ainda me sujeito. Mas está na minha lista pro futuro próximo.
    Adorei!

    ResponderExcluir
  2. Lud, adorei! Valeu pelo post e pelo feedback tão positivo.
    Li teu post no sábado, depois de passar a tarde cozinhando e tomando cerveja com um monte de amigos. Foi tão bacana me ver ali, sem make, descalça, num momento de total entrega a simplicidade, curtindo a vida sabe.
    Antes isso era impensável,sério. Era daquelas q passava rímel pra ir a praia e planejava o fds na segunda-feira.
    Cada vez mais vejo q felicidade é simples e muitas vezes, barata.

    Bj grande =)

    ResponderExcluir
  3. Fer,
    você não tem ideia de como eu me identifico com você. Eu passava corretivo para ir à praia e providenciava o visual de uma festa duas semanas antes.
    Agora também sou mais simples e mais feliz!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Pelo visto temos algumas coisas em comum. Só me falta a coragem de largar tudo e sair pelo mundo. Achei isso incríve!
    Bjs Lud.

    ResponderExcluir
  5. Esses relatos bacanas são uma brisa fresca no meio dessa pressão às vezes tão harcore do dia a dia! Parabéns, Fer Santos!

    ResponderExcluir