quinta-feira, 28 de julho de 2016

O dia que resolvi parar de tomar remédios

Desde quando meus exames apontaram colesterol alto e minha médica me prescreveu medicação para controlá-lo, estou pensando sobre a relação da nossa sociedade com os remédios.

Eu não quis tomar. Primeiro porque teria que consumir para sempre, depois porque o meu colesterol ruim não chega a estar tão alto assim, e outro motivo é que já pesquisei sobre o tema e não há consenso de que o colesterol seja esse vilão todo.

Aliás, já tem algum tempo que eu tenho desconfiado da indústria farmacêutica. Desde que comecei a reparar no tanto que ganham dinheiro e no tanto de representantes com suas pastas de couro com rodinhas lotando todos os consultórios médicos onde vou. Um dia ouvi dois conversando sobre as convenções e os bônus que eles ganhavam por desempenho, e sobre como os médicos também tinham acesso a esses "agrados".

Comecei a pensar ainda sobre meu uso de anticoncepcional. Conversei com amigas e fiquei sabendo de inúmeros problemas que os remedinhos causam, como trombose, dores de cabeça e o consenso sobre a diminuição da libido. Fiquei impressionada e fui pesquisar, mas é muito difícil achar informações precisas sobre esse tipo de medicamento justamente pela força da indústria farmacêutica.

Li ainda o texto Exaustos-e-correndo-e-dopados da Eliane Brum e fiquei pensando em como a gente tenta resolver nossos problemas todos tomando remédio.

"O corpo então virou um atrapalho, um apêndice incômodo, um não-dá-conta que adoece, fica ansioso, deprime, entra em pânico. E assim dopamos esse corpo falho que se contorce ao ser submetido a uma velocidade não humana. Viramos exaustos-e-correndo-e-dopados. Porque só dopados para continuar exaustos-e-correndo."

Porque se alimentar bem, ter hábitos saudáveis, praticar atividade física... Tudo isso dá trabalho e toma tempo. E, no nosso ritmo louco de correria, acabamos por deixar isso sempre para depois. E tentamos resolver comprando remédios.

Então parei de tomar anticoncepcional. Não vou tomar o remédio pro colesterol. Vou me dedicar cada vez mais a ter hábitos saudáveis, para que tomar remédio seja uma exceção e não a regra.


39 comentários:

  1. Parabéns pela escolha consciente. Acredito que possa reverter o quadro rapidamente. Sua idade é boa para tomar boas decisões recusando se entupir de medicamentos. O medicamento deve ser usado em casos específico e não por ser algo fácil e rápido.

    Recomendo fortemente conhecer a Dieta Paleo/ Lowcarb. Não é uma dieta da moda. Com ela poderá ter mais simplicidade em sua nutrição e uma vida mais saudável. Tudo com embasamento científico randomizado.
    Para pesquisar rapidamente pode procurar o blog do Dr. Souto paleo-lowcarb e tribo forte podcast. Em poucas horas conhecerá e entenderá uma dieta 100% saudável e prazerosa de adotar.

    Enfim, sua saúde deve ser sempre o maior objetivo de vida.

    Gosto muito do seu blog e também sou adepto ao estilo minimalista.
    Obrigado por compartilhar comigo e com os demais seu dia a dia.

    * Qualquer dúvida ou ajuda para entender melhor a dieta que recomendei, fique a vontade de entrar em contato. Terei o maior prazer de auxiliar.

    Forte abraço e muita paz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fabrício! Obrigada pelo comentário e pelos elogios. Eu que agradeço a companhia nesta caminhada...

      Olha que coincidência! No começo do ano, falei aqui no blog sobre minha luta com o colesterol, e uma leitora (o apelido dela é Fulana) comentou justamente sobre essa dieta e me passou este mesmo link. Foi lá que eu fiquei sabendo que não havia consenso quanto ao colesterol ser vilão. Foi uma mudada de chave na minha cabeça.

      Mas na época eu só pesquisei sobre o assunto, e não sobre a dieta. Vou aproveitar o momento e fazer isso agora.

      Muito obrigada! Abraço forte também e paz :)

      Excluir
  2. Oi, Fernanda! Eu dependo de vários remédios (psiquiátricos, tireoide), mas super apoio a sua decisão, principalmente com relação aos anticoncepcionais. Tbm não tomo. Independemente de decidir tomar certos remédios ou não, acho importante não vê-los como tábua de salvação e procurar sempre outras alternativas para associar ou substituir. Bjos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Thais! Remédios são importantes e necessários com certeza. Se você precisa, claro que tem que tomar. Como você mesma falou, a ideia é deixar pra tomar em reais necessidades, e preferir alternativas quando possível. Pelo que te conheço, você já faz isso ;)
      Beijo!

      Excluir
  3. Como está prevenindo a gravidez? Quero parar mas não confio só na camisinha...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bia! Por enquanto, só camisinha e cuidado mesmo. Mas estou pesquisando alternativas. O DIU de cobre é uma possibilidade, por exemplo. Mas ainda não decidi. Depois eu conto... Você tem alguma recomendação, ideia?

      Excluir
    2. Estou com quase 39 anos e parei o anticoncepcional desde que engravidei da minha última filha (mais ou menos em setembro de 2013. E agora estou só na camisinha. Nunca estourou nem furou.... e morro de medo do DIU pq pra colocar é bem doloroso.
      Como estou já mais pra perto da menopausa, vou continuar na camisinha até o marido criar coragem de fazer a vasectomia.

      Excluir
    3. Fernanda,
      Andei me fazendo esses mesmos questionamentos há um tempo após começar a adotar o minimalismo. Eu tomava 2 remédios para hipertensão e anticoncepcional.
      Após pesquisar sobre alimentação mais saudável cheguei à dieta paleo pelo blog do Dr. Souto, recomendado acima por um comentarista, o resultado é que parei de tomar remédios e uma rinite persistente sumiu.
      Parei de tomar anticoncepcional e adotei a camisinha e o diafragma (é difícil de encontrar um médico que faça a medição, mas vale insistir), com a dieta também parei de ter qualquer sintoma relacionado à TPM, foi uma revolução na minha vida.
      Beijo!

      Excluir
    4. Dani, viu continuar na camisinha por um tempo também. Tomando todo cuidado do mundo porque não quero mesmo ter filhos. Estou pensando mesmo sobre alternativas, mas ainda não decidi.

      Ilka, eu estou mesmo pesquisando sobre alimentação pra diminuir sintomas de TPM. Desde que parei com a pílula, estou com muitas espinhas e tendo cólicas fortíssimas. Vou procurar sobre o assunto no blog recomendado. Obrigadinha, viu?

      Excluir
  4. Seu blog é incrivel porque você compartilha coisas que ninguém fala!
    Só merece elogios !
    Quanto a esse assunto ..as pessoas são tão acostumadas a tomar remédios que nem questionam ,se deveriam,uma simples dor de cabeça toma se um remédio sendo que se a pessoa tentasse dormir poderia passar,esse é um assunto muito importante! porque um remedio que usa para tal coisa ,por exemplo um antialérgico :faz bem para combater a alergia mais vai acabando com seu figado aos poucos..e quem te conta essas coisas?os médicos? NÃAO!
    E o anticoncepcional que no fundo no fundo,pode estar relacionada com índice de câncer? Essas coisas ninguém conta,e fora que esses benditos estão cada vez mais baratos e é todo esse comércio mesmo farmacêutico.
    Uma dica é procurar a homeopatia,quase ninguem fala dessa especialidade,mas é a medicina natural,combate tpm e tudo mais e claro uma boa alimentação,e cuidar de nós mesmos para evitar doenças.

    Beijo!


    https://mundominimalistablog.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada :)
      Eu me exponho muito mesmo. Às vezes fico até pensando se não exagero. Mas acho que o tanto que aprendo com as trocas que resultam disso faz valer a pena.
      Hahaha.. Pois é.. Ninguém fala sobre esses efeitos colaterais. Eu fui ficar sabendo por amigas, muito tempo depois de já usar, que os anticoncepcionais têm seu efeito alterado quando tomamos antibiótico. Nenhum médico me contou isso!
      Minha mãe consulta com uma homeopata que ela gosta muito. Vou marcar com ela. Quem sabe me ajuda... E alimentação é realmente algo que faz toooda a diferença!
      Obrigadinha pelo comentário!
      Beijo!

      Excluir
  5. Nossa! Como me identifiquei com seu relato! Penso EXATAMENTE o mesmo, e tendo muitos amigos médicos posso te garantir: a máfia dos medicamentos, que inclui viagens, presentes, agrados e algumas condutas bem pouco éticas, existe sim. Meu marido passou anos tomando remédio para pressão alta, fazendo dieta, privando a si mesmo de comer coisas que gostava (por mais que tivesse menos de 40 anos e fosse saudável em geral). Pesquisei, pesquisei, li e descobri que o sal usado é tão refinado que só resta o sódio, nos privando de minerais importantíssimos para o desenvolvimento do nosso cérebro. Resultado: há 1 ano comecei a usar sal cru (sem ser refinado) na nossa alimentação e a pressão dele voltou ao normal, depois de 20 anos tomando remédios. Ele também começou com problemas de colesterol há algum tempo, e hoje aboliu o medicamento ao investir cada vez mais em fibras, legumes e frutas, especialmente o mingau de aveia. Eu desperdicei anos da minha vida com pouca libido (casamento até balançava com esse fato), e uma vez experimentei deixar a pílula de lado e...voilá! Meu marido decidiu fazer vasectomia há alguns anos (já temos filhos e não pretendemos ter mais) e foi ótimo! A falta de informação (como vc disse, e eu acredito, a própria indústria omite, cria mitos e monstros para fazer-nos crer que só ela pode nos salvar), a preguiça, o comodismo e os maus hábitos modernos nos obrigam a tomar a maioria dos remédios que tomamos hoje, mas sou um exemplo de como isso pode mudar! :-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou chocada com essa história do seu marido, Patricia! Ainda bem que você pesquisou e descobriu essa alternativa.
      Acredito mesmo que a alimentação é a mais importante causa e cura da maioria dos nossos males. Juntamente com outros hábitos, como dormir bem, tomar um pouco de sol, praticar atividade física.
      Essa questão da libido é impressionante! Todas as meninas com quem conversei falaram que faz toda a diferença. E agora eu pude comprovar e entro pro time das que falam também.
      Aveia é maravilhoso pro colesterol. Descobri isso pesquisando também.
      Adorei seu comentário! Vou até procurar saber mais sobre essa questão do sal.
      Estou buscando ser um exemplo, assim como você, de que essa situação de dependência de remédios pode mudar :)
      Beijo e obrigada!

      Excluir
  6. Parabéns! Fiz o mesmo com o anticoncepcional e não poderia ter tomado melhor decisão. Acho que para tudo aquilo que pode ser ultrapassado com outros métodos (mais saudáveis) deveremos fazê-lo :) Afinal está provado que a alimentação e o exercício físico fazem muito bem e há já estudos de várias de doenças que foram praticamente curadas com alimentação adequada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Ana! É o que estou buscando e já venho aproveitando os resultados. Muito melhor! Parabéns para nós :)

      Excluir
  7. Oi Fernanda. Também fiz como você e parei de tomar anticoncepcional. Já tinha lido bastante sobre os efeitos negativos e também vinha sentindo várias mudanças ruins no meu corpo. Pretendo colocar o DIU de cobre, que também tem efeitos colaterais, porém menos nocivos que os da pílula.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bárbara! Também estou pensando na possibilidade de colocar o DIU de cobre... Mas ainda não decidi. Por enquanto, estou só na camisinha. Depois conto se começar a usar (e você me conta também, por favor?).

      Excluir
  8. Bom, eu sou aquela pessoa que se bater uma dor de cabeça vai deitar e apaga a luz do quarto. O que observo é que a vida anda tão corrida que as pessoas simplesmente não podem se dar a esse luxo. Uma gripe, um mal estar, é coisa que se cura com vários litros de água e um dia de repouso. Não podemos tratar nosso corpo como uma máquina.
    No caso específico do colesterol, a industria farmacêutica conseguiu inclusive modificar o limite considerado saudável. Até duas décadas atrás o indice a partir do qual se considera necessária alguma providencia era bem mais alto do que é hoje. O resultado é que até crianças perfeitamente sadias vão fazer o exame o dá o resultado de que estão com colesterol alterado...
    Todo apoio pra vc!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Vania! Exigimos demais do nosso corpo e depois queremos curá-lo com remédios, que na verdade só aumentam ainda mais a carga que colocamos no nosso corpo.
      Estou chocada com essa informação sobre a alteração do limite saudável! Não sabia disso! Que absurdo! Me faz desconfiar ainda mais da indústria farmacêutica e afirmar minha decisão.
      Muuuuito obrigada!

      Excluir
  9. Eu concordo demais com vocÊ. Acho que existe um conchavo imenso entre médicos + farmácia + industria alimentícia. O ideal é voltar pra alimentação natural, pois acredito que o alimento é capaz de curar nosso corpo. Com anticoncepcional eu parei também ja faz mais de ano. Não tinha sentido eu ter uma vida natural, virar vegana, e continuar enchendo meu corpo de medicamentos e hormônios. Faço uso de hormônio sintético da tireóide, mas até isso eu acredito que seja capaz de ser curado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo demais, Bruna! Que legal que você virou vegana! Também acredito que alimentação natural é fundamental para nossa saúde. Mas é preciso saber escolher os alimentos e buscar produtos orgânicos. Infelizmente, cada vez se usa mais agrotóxicos por aí, o que é péssimo pra nossa saúde. Hábitos de sono e atividade física também fazem toda a diferença. Pesquisa mais sobre o seu problema da tireoide. Pode ser que alguns hábitos podem influenciar, para melhorar o problema ou até curar. Quem sabe... Boa sorte ;)

      Excluir
  10. Olá Fernanda, indico que pesquise a respeito do DIU de cobre. Há um ano também resolvi parar de tomar anticoncepcionais pelos mesmos motivos que os seus e também por já apresentar diversos sintomas relacionados diretamente a esse medicamento. Fiquei 8 meses pesquisando sobre o DIU de cobre (que não libera absolutamente nenhum hormônio no nosso corpo) e enquanto isso usava apenas preservativo. Há 4 meses completos faço uso do DIU de cobre e meu único arrependimento foi não ter optado por ele antes, minha adaptação está sendo excelente e recomendo pelo menos que as pessoas conheçam um pouco mais a respeito desse método ainda pouco divulgado aqui no Brasil. Talvez pelo fato de ser um método barato (um diu custa entre 150 e 200 reais e dura de 5 a 10 anos dentro da mulher. Em tempo: Nâo tenho filhos e isso não é impedimento para a inserção do DIU. Boa sorte na sua decisão de ter uma vida mais saudável, estamos juntas nessa busca.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ótima dica, Iracema! Assim que li seu comentário, comecei a pensar a respeito. Parece ser uma boa ideia pra mim também. Vou agora fazer o que você fez e pesquisar. Tem alguns links pra indicar?
      Obrigadíssima!

      Excluir
  11. Adorei seu blog, estou recomeçando e creio que vá ser essencial ler conteúdos como o seu, eu ando totalmente viciada em vários remédios, e realmente, fui dar um google rápido sobre os remédios e a indústria farmacêutica e é isso que eles querem né, que tomemos cada vez mais remédios..

    Ando pensando também em tirar o anticoncepcional da minha vida, ando procurando qual é a melhor forma.

    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muuuito obrigada e seja super bem-vinda! Pois é... Se a gente for seguindo o que os médicos indicam sem parar para pensar, acabamos tomando uma infinidade de remédios mesmo. Acho que sempre vale a pena pensar e procurar outras maneiras mesmo. Se, no fim das contas, o remédio for a melhor opção, sem problemas. O importante é fazer a escolha consciente. Beijo!

      Excluir
  12. Ouvi uma vez que as vitaminas devemos encontrar na quitanda e não na farmácia. Que meu remédio seja minha comida e minha comida seja meu remédio.
    Bj e fk c Deus.
    Nana
    http://nanaeosamigosvirtuais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo demais, Nana! Alimentação é tudo!
      Beijo!

      Excluir
  13. Oi Fernanda,

    Sobre os representantes, é isso aí mesmo. Casualmente dias atrás eu ouvi uma conversa de dois deles em um café, e um ensinava ao outro como saber se o médico estava receitando o remédio mesmo (era um remédio para colesterol). Sobre esse assunto, saiu na piauí uma artigo muito bom: http://piaui.folha.uol.com.br/materia/conspiracao-amarga/

    Quanto ao anticoncepcional, eu notei diferença em relação à libido quando parei para engravidar. O pior (ou melhor, para quem quer engravidar) é que a libido aumenta exatamente no período de ovulação. Eu não voltei a usá-lo, porque desde que a minha filha nasceu eu uso o mirena, que também tem efeito na libido, talvez menor, não tenho certeza. Não confio o suficiente na camisinha e também não quero abrir mão de controlar essa questão. Não lido bem com a ideia de uma gravidez indesejada e não sei se teria coragem de abortar. Mas enfim, isso é um assunto muito pessoal e cada casal tem que pesar os prós e contras de cada opção.
    Abraço, Daniela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Daniela! Muito obrigada pela indicação do artigo. Li o texto inteiro impressionada. Por essas e outras que vemos que nem a ciência é imparcial, e que os cientistas se preocupam mais com sua reputação do que com a verdade. Dureza... E cada vez fico mais confiante em não tomar remédio para controlar colesterol.
      Fiquei curiosa sobre o papo dos representantes. Como eles ficam sabendo se o médico está receitando?
      Eu ainda não tenho certeza também sobre que método usar, além da camisinha, porque também acho perigoso usar só ela. Estou pesquisando, pensando e enquanto isso tomando muito cuidado. Realmente é preciso pesar e decidir em conjunto :)
      Um abraço!

      Excluir
  14. Oi Fernanda,

    O papo era assim: primeiro um ensinava ao outro como tirar um compromisso do médico, depois de apresentar todas as vantagens do remédio. Tipo assim, então doutor, o sr. vai receitar?
    Depois na próxima visita, era para perguntar se o médico estava receitando e caso ele dissesse que sim, era para perguntar detalhes do perfil dos pacientes, idade, outras doenças, efeitos colaterais, para tirar o máximo de detalhes possíveis do médico e (acho) ver se ele estava falando a verdade. Eu não consegui ver qual era o laboratório, mas a médica do meu trabalho, para quem eu também contei, me mostrou uma amostra de um remédio novo para colesterol, ela acha que devia ser esse (não lembro o nome agora).

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela explicação, Daniela. Eu desconfio também que, quando o médico dá receita, e a gente compra na farmácia com a receita, essa informação deve chegar no laboratório. Será? É uma indústria mesmo... E quer o lucro, e não o melhor pra gente. Temos que ficar espertas mesmo.
      Abraço!

      Excluir
  15. Idem, Fernanda! Comigo aconteceu o mesmo... há cerca de 4 anos foi o problema com o colesterol apenas acima do recomendável, nada exagerado, o primeiro médico indicou remédio, o segundo médico (amigo da família) indicou apenas atividade física e fui por esse caminho. E o anticoncepcional aboli por conta mesmo há pouco mais de 1 ano depois de ver tantos casos de trombose, inclusive com a marca que eu tomava fielmente (Diane 35). Acredito que seja um processo de redescobrir nosso próprio corpo, ouvir o que ele tem a dizer, conhecer seus limites e aceitar algumas condições. Hoje, evito remédio ao máximo, ainda cedo para gripe e cólica quando cama e bolsa de água quente não são suficientes.
    Tamo junta no processo! (:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Atividade física é bom para tudo! Impressionante! Fundamental para manter tanto o corpo quanto a mente no seu melhor. Acho que realmente o caminho é evitar o excesso de remédios. Tem soluções mais baratas e sem efeitos colaterais, como cama, beber líquido e água quente. Melhor deixar os remédios para quando não tiver outro jeito. Tá certíssima ;)
      Vamos que vamos!

      Excluir
  16. Fe, faço os mesmos questionamentos que você e, provavelmente, no seu caso teria a mesma postura... tenho tido essa preocupação agora ainda mais forte porque tenho uma filhinha de um ano e meio... já mudei de pediatra por conta dessa relação próxima com remédios. Vc procurou algum tratamento alternativo? Agora estou investindo em homeopatia com minha bebê. Abs e boa sorte! Ah, dá uma olhadinha nesse link, tudo a ver: http://www.sul21.com.br/jornal/evidencias-condenam-mamografia-preventiva/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo link, Evelize. Fiquei impressionada! Não sabia disso... Cada vez mais vejo evidências de que consumimos muito exames, remédios e tratamentos sem necessidade, só para dar dinheiro para as indústrias ditas da saúde.
      Meu tratamento priorizado tem sido alimentação e hábitos saudáveis. Comer bem, dormir bem, praticar atividades físicas e ser feliz. Tem feito maravilhas por mim. Hehe... Uso bicarbonato quando estou com desconforto estomacal, fico um tempo deitada no escuro para dor de cabeça, uso bolsa de água quente para cólica. Em casos que isso não resolve, vez ou outra tomo remédio mesmo. Mas posso te garantir que tenho muito menos problemas de saúde hoje do que na época que já tacava remédio pra tudo, comia e dormia mal, e compensava isso com mais remédios.

      Excluir
    2. Bom, tenho tido contato com uma vertente muito interessante que coloca a alimentação como uma das maiores vilãs ou mocinhas (rs) da saúde. A questão do leite e derivados, alimentos ácidos, glúten... enfim, não sei se vc já está nessa vibe, mas estou achando muito muito interessante. E, embora acredite muito em tudo isso, ainda não consegui incorporar muita coisa no meu dia a dia, porque comer bem hoje (o que significa, resumidamente, voltar às raízes, aos hábitos dos nossos avós), é trabalhoso e caro. Mas tenho como prioridade esse ponto. tenho certeza que valeráo custo beneficio. Se tiver interesse, posso indicar um congresso omline q me despertou para esse lado. abs

      Excluir
    3. Estou na vibe sim! Procuro me alimentar bem. Mas os vilões que eu vejo são mais no sentido de agrotóxicos e alimentos super processados. Não acredito muito que leite e glúten sejam esses vilões todos. Acho que é mais uma questão de equilíbrio na alimentação. Ah... Se alimentar bem realmente fica caro. Como não curto gastar muito, tenho contornado isso (na medida do possível), fazendo cada vez mais compras em feiras de orgânicos e mesmo no sacolão, e menos em supermercado. Compro os alimentos o menos processados possível e faço eu mesma os pratos, ou como do jeito que vieram da natureza, que é o caso das frutas. Não resolve todo o problema, mas acho que ajuda. E procuro evitar as modas nutricionais (chia, sal rosa etc.). E, assim como digo com o minimalismo, acho que se alimentar bem é um hábito que devemos cultivar devagar e sempre. Hehe... Tenho super interesse no congresso sim. Me indica? Abração!

      Excluir
  17. Ah, e sobre anticoncepcional... nao tive coragem mais de usar depois que engravidei, nao só pela questao da libido, trombose e etc, mas porque me senti mto mais equilibrada emocionalmente. Isso pq antes de engravidar usava Mirena, que teoricamente joga menos hormonio no corpo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É estranho o que o anticoncepcional faz com a gente, não? Foi uma ótima decisão ter parado, para mim. Hoje em dia eu uso só camisinha. Sei que não é 100% garantido, mas prefiro o risco de engravidar do que todos os riscos e os malefícios associados ao anticoncepcional.

      Excluir