sexta-feira, 13 de maio de 2016

Por que eu não decidi ter filhos

Eu não tenho filhos. Para facilitar, quando me perguntam, falo que não quero tê-los. Mas a verdade é que eu não rejeito a ideia de ter filhos, eu só não tenho muita vontade mesmo.

Quando eu era mais nova, eu sempre projetava que lá no futuro um dia eu teria filhos. A gente cresce achando que é o curso natural da vida. Mas o tempo foi passando, e o dia em que eu teria filhos continua em um futuro indeterminado. Só que eu já tenho 35 anos, então agora estou achando que eu nunca vou ter essa vontade.

A maioria das pessoas que me perguntam sobre o assunto, querem saber porque eu odeio a ideia de ter filhos, ou se eu não gosto de crianças em geral. Mas eu não odeio a ideia de ter filhos e nem crianças, mas eu também não amo essa ideia. E ter filhos é um grande passo, e irreversível. 

Com relação a quase todo o resto, eu posso mudar de ideia: posso mudar de emprego, vender uma casa, terminar um relacionamento, mudar de cidade. Mas eu não posso escolher não ter mais um filho. Nem posso tirar férias de um filho quando cansar. E não posso abrir mão de cuidar do filho e gastar com ele tempo e dinheiro. 

Então, não é uma decisão que eu vou tomar só porque "as pessoas" acham que é o normal. Se eu for ter filhos, será porque eu quero muito ter filhos. E até hoje eu não quis muito ter filhos. Então acho que vou ficar sem filhos mesmo.

PS: reparem que o título é "Por que eu não decidi ter filhos" e não "Por que eu decidi não ter filhos".

não ter filhos

49 comentários:

  1. Oi Fernanda,

    Aff, isso é um assunto que rende. Eu fui assim também, fui postergando até que com 38 decidi que teria. Aliás, com 38 eu decidi que tentaria, porque nem sabia se podia ter filho. Mas é isso mesmo que você colocou, para ter filho tem que querer, porque é muito, muito trabalhoso, sai caro e muda completamente a vida do casal.
    A ideia de que não dá para desistir me apavorava muito, mas eu consegui lidar com isso, de alguma forma (embora às vezes eu tenha vontade de fugir). Mas não ter filho também é para sempre, e eu decidi que queria viver isso na minha vida.
    E não tem escapatória, se você não tem filho, cobram, se você tem cobram que você tem que fazer assim ou assado. Então tem que fazer o que a gente quer, pelo menos assim alguém fica feliz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem razão, Daniela. Eu fico bem em paz com a minha decisão por agora. Porque as pessoas pressionam de qualquer jeito mesmo, mas quem vai ter que conviver com as consequências das escolhas é só a gente. Boa sorte nas suas escolhas ;)

      Excluir
  2. Essa pergunta incomoda muito. Já perdi a conta das vezes que me fizeram. Nos fazem perguntas irracionais... e ainda temos que responder de forma gentil, para não ofender o "entrevistador". Muita paz, Fernanda. Bj

    Maria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Maria! Pois é... A pergunta está sempre nos rondando. Eu geralmente não me incomodo e respondo numa boa. Mas às vezes enche o saco. Beijo!

      Excluir
  3. Tenho 22 anos e ainda não penso em ter filhos la na frente. Tenho muitos sonhos e objetivos e filhos não estão inclusos neles ainda e talvez ele nem cheguem a estar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o meu caso desde mais nova também. E a vontade não chegou até hoje. Mas nada impede de as coisas mudarem, tanto pra mim quanto pra você. Vamos seguindo em paz ;)

      Excluir
  4. Tenho 47 e decidi, há algum tempo, que não teria filhos biológicos. Na verdade, ao longo do tempo não priorizei essa questão e quando decidi que tentaria (mais pelo meu marido), não aconteceu. E, desde sempre eu deixei muito claro que, se não acontecesse, não iria recorrer a nenhum tratamento de fertilização ou inseminação.
    Agora estamos pensando em adotar uma criança, mas não um bebê, uma criança maior. Estou amadurecendo a ideia junto com o meu marido.
    Mas digo, com toda certeza, que não me arrependo da minha decisão.
    Certamente, como você comentou, precisamos ter muita certeza, porque filho é para sempre....

    Simone

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Simone. Linda a sua ideia de adotar uma criança. Tem tanta precisando! Se você realmente for por esse caminho, ou mesmo se desistir, te desejo boa sorte e força. Importante a gente lembrar que existe essa possibilidade também, além de uma gravidez. Um abraço!

      Excluir
  5. Penso exatamente como você. Pra ser honesta eu nunca tive vontaaaaaaaaade de ter filhos, nunca sonhei com isso. Sei da grande responsabilidade que é, do trabalho que dá. Talvez eu tenha, talvez não! Vou deixar a vida me guiar pra me mostrar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou deixando também, Bruna. Vamos que vamos!

      Excluir
  6. Olá Fernanda, eu sempre pensei assim e percebo perfeitamente aquilo que escreveste. Incrível como sempre pensei nisso de ser irreversível e não me poder cansar dos filhos! Só que quando dizia isso as pessoas não percebiam ehehe
    Adorei o título por isso mesmo :) há muita gente que tem filhos só por ter, porque faz parte da checklist da vida! É preferível que seja uma decisão totalmente consciente e responsavel, então se ainda não chegou a hora tudo bem. Se não chegar tudo bem também :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, Ana. As pessoas não buscam entender as razões das outras na maioria dos casos. Elas simplesmente buscam colocar na gente as razões que elas têm. Eu respeito e entendo completamente quem quer ter filho. Não fico importunando falando que elas vão se arrepender, perguntando se têm certeza, listando razões para não ter filho... Por que elas não podem fazer a mesma coisa com quem não quer, não é? Concordo demais que tem que ser uma decisão consciente, responsável e sem pressa ;)

      Excluir
  7. Eu penso assim mesmo, o tempo passa tão rápido e não vamos dar um passo tão longo só porque todo mundo acha que é o normal e o certo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato, Daniele. Porque afinal quem vai ter que lidar com o filho é a gente, e não quem ficou pressionando pra gente procriar.

      Excluir
  8. Penso da mesma forma ... Tenho 28 anos , tenho um relacionamento estável há 9 .... Meu parceiro quer ter filhos, mas ainda não nos estabilizamos financeiramente o necessário pra pensar a respeito ... Vou esperar mais uns anos.pra ver se a vontade vem ... :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso mesmo, Bia. Se eu tivesse uma enorme estabilidade, talvez eu mudasse de ideia. Mas nunca foi uma prioridade pra minha vida. Se a vontade chegar, aí a gente pensa, não é? Hehe...

      Excluir
  9. Eu tenho 2 filhas (9 anos e outra de 1 ano). E vou te contar... dá muuuuuuuuuuito trabalho sim. Não adianta tapar o sol com a peneira não. Essa romantização da maternidade é *oda. Eu tive minhas filhas de livre e espontânea vontade, e trabalho 8-18h e ainda tenho a casa p/ arrumar. Olha, tem dia que acho que vou ter um colapso.
    Adoro minhas filhas, mas isso não quer dizer que vou bater palma e dizer aquelas frases prontas: "ser mãe é padecer no paraíso" hahahah
    Realmente a maternidade tem que ser bem pensada e planejada, pq sua vida muda e não tem volta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dani! Nem imagino o trabalho que deve dar mesmo. Da mesma maneira que sei que é difícil imaginar as recompensas: o amor pelos filhos, a companhia... Mas acho muito injusto essa pressão que é colocada nas mães de ter todo o trabalho com a criança e de adorar isso tudo.

      Você tem toda razão sobre ser criada versão romantizada que deve pegar muita mãe de surpresa. E o pior: deve ter muita mãe se achando a pior pessoa do mundo porque não adora todo o trabalho que tem que fazer, todas os sacrifícios e dificuldades. E acabam ainda nem buscando apoio de outras pessoas.
      A gente ainda tem muito a caminhar como sociedade em relação a maternidade...
      Muito obrigada pelo comentário!
      Um abraço!

      Excluir
  10. Oi, acompanho seu blog há algum tempo e gostei muito desse post.
    Sinto o mesmo. Decidi que não teria filhos e mesmo ainda sendo nova (27 anos), estou bem certa dessa decisão.
    Fiquei bem impressionada de ver quantas pessoas concordam com o seu post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também fiquei impressionada. Acho que é um sentimento que muita gente tem, mas que evita falar a respeito porque as pessoas não reagem muito bem. Que bom que podemos falar sobre isso aqui :)

      Excluir
  11. eu tb nao tenho vontade. e isso ta pensando ate minha sogra que nunca gostou de mim esta cobrando. brincadeira neee... enfim. eu comecei a pensar e eu acho que o motivo para nao querer parte se deve a minha vontsde mesmo e parte se deve ao relacionamento que eu tenho. entao eu acho legal a pessoal fazer para si esse questionamento e aceitar os reais motivos. talvez se eu estivesse em outra situaçao (nao é dinheiro) e e outro relacionamento.... talvez eu teria filhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente pensar em nossas motivações é fundamental, seja qual for a escolha que estamos fazendo. Eu também penso que talvez eu teria filhos, mas nunca tive vontade... Vamos ver...

      Excluir
  12. Olá Fernanda! Eu tenho 34 anos, ainda nao decidi e estou bem tranquila. Gosto da minha liberdade, autonomia e além disto sabemos q quase toda responsabilidade recai sobre a mulher, mesmo nos casais mais igualitarios no quesito gênero. Te indico um livro: A máscara da maternidade. Bjo! Fernanda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estamos na mesma, Fernanda :)
      Vou anotar a dica do livro. Muito obrigada! Este ano estou lendo bastante e é sempre bom ter indicações.
      Beijo

      Excluir
  13. Olá. eu também tenho 35 anos e decidi não ter filhos. Não tenho vontade de ter filhos, não me vejo como mãe, fora que também penso como você, que é algo irreversível. Outra coisa é que quero poder mudar de cidade ou trabalho quando eu bem entender e com criança pelo meio isso não dá muito certo.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um dos meus motivos também, Bianca. Filhos restringem nossa mobilidade, sem contar a possibilidade de aceitar riscos. Tem razão. Beijo!

      Excluir
  14. muito bom questionamento! poucas mulheres teriam coragem de dizer!

    ResponderExcluir
  15. Eu sempre quis ser mãe dela dos 30... eu achava q estaria madura... Os 30 chegaram depois os 35... e com 36 m tornei mae... e realmente da muuuuuito trabalho, tô no 3 mês de mae agradeco a Deus todos os dias por ter esse bebe saudavel e lindo! Mas vc tem razão tem horas q eu quero fazer igual o "sherck p sempre" e fugir. Todo mundo q m cobrou filho nem veio visitar. .. Os familiares, o marido trabalha muito e sobra todo p mim. Então eu super apoio quem decidiu naum ter e m contenho em naum perguntar se a pessoa quer filhos. Pq já sofri essa pressão mas só tive qdo m senti preparada e olha q tá osso !!! Depois diz w melhora. .. mas qdo chegar a adolescência? Q Deus m de forças! !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você pôde fazer essa escolha e que deu tudo certo! E realmente as pessoas adoram dar palpite quando não vão ser elas que terão que lidar com as consequências, não é?
      Imagino que filho dá trabalho sim. E adolescência deve ser difícil, mas deve ter as recompensas também... Boa sorte ;)

      Excluir
  16. Cristina,

    A minha filha tá na adolescência desde os 2 anos (ela tem 5 agora). Isso era um problema para mim também, eu pensava que eu não gostava de adolescentes nem quando eu era uma, mas sei lá, a gente vai lidando com as coisas a medida que vão aparecendo.
    A gente sobrevive, mas é muiiiiiito cansativo mesmo. Os desafios vao mudando, parece videogame, quando a gente aprende a lidar com a fase, eles mudam para a fase seguinte e a gente já não sabe o que fazer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei a comparação com videogame. Fiquei rindo aqui sozinha... Adolescência desde o 2 anos? Hehe... Que dureza, hein? Mas deve ser muito bom também, não é? Como quase tudo na vida, sempre tem o lado ruim e o bom. O importante é a gente fazer as escolhas de forma consciente.

      Excluir
    2. oi Fernanda,

      É um amor imenso, que eu nem sabia que podia ter por alguém.

      É que eu sou bem autoritária, e ela tem um gênio forte. Então baixa a Danielinha nela e ela quer mandar em todo mundo. E se a gente fala que assim não dá para ser, ela diz: vocês não gostam de mim, eu odeio vocês! Tem coisa mais adolescente que isso? Mas depois vem e enche a gente de beijo, pede abraço, diz que não ganhou beijo hoje ainda, é a minha fofinha.

      O problema é que quando a gente faz as escolhas não tem noção do que vai ser (nem para o lado bom nem para o lado ruim). Ter filho traz muita imprevisibilidade para a vida da gente, para quem quer controlar tudo, como eu, é mais uma coisa para se lidar.

      beijo, Daniela

      Excluir
    3. Hahaha... Ela faz um drama bem de adolescente mesmo. Mas que bom que logo depois já fica fofinha de novo.

      Pois é... Imprevisibilidade é algo difícil demais pra mim. Sou muito controladora. Se eu quisesse ter filhos, teria dificuldade.

      Beijo!

      Excluir
  17. Sempre fiquei encima do muro sobre este assunto. Não sabia se queria ou não. A vontade veio depois dos 30, com o financeiro, profissional e emocional equilibrados, tive coragem. Sou mãe há 1 ano e três meses, e que loucura de sentimentos é a maternidade! Uma montanha-russa de emoções, com altos e baixos e com direito a muitos loopings. É muito cansativo (principalmente o primeiro ano), mas a força da gente se renova a cada conquista do filho. A palavra mais doce do mundo passa a ser "mamãe" e seu coração se derrete a cada abraço, beijo e sorriso ganho. O filho cativa e a cada dia você o ama mais. Aquela criaturinha começa a ocupar todos os seus pensamentos e você quer (e tem) que se tornar uma pessoa melhor por ela. Você se torna mais sensível e altruísta. Ótimo post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Patrícia! Imagino que deve ser algo mágico mesmo. Fico muito feliz por você e tantas outras terem essa coragem, e possam viver essas emoções :)

      Excluir
  18. Tão bom ler seus posts sempre, Fernanda! Acho que é a minha frase há algum tempo: eu não decidi ter filhos. Desde pequena não queria seguir o caminho pré estabelecido: estudar, casar, ter filhos, aposentar. E gerar uma vida é uma coisa muito linda e séria, não apenas uma parte do pacote.
    No meu caso, pode parecer bem louco, mas o que pesa são os quase 8 bilhões de pessoas nesse mundo. Falta de água, solos contaminados, ar poluído. Já ouvi dizer que, para que o mundo se equilibrasse, o ideal seria 2 milhões de habitantes.
    Hoje, aos 34, queria vivenciar a maternidade, mas nenhuma explicação me convence de que uma criança a mais seria um bem para o mundo e que o mundo seria bacana para uma criança. Tese e zika estão aí no meio do caminho para confundir um pouco mais a equação rsrs. Sempre me interessei muito por adoção, mas confesso que o sistema brasileiro atual me desanimou um tanto.
    De qquer forma, eu e o maridão decidimos que vamos ficar bem com qualquer uma das decisões. Super legal saber que sempre teremos amigos pais e amigos sem filhos para trocar ideias, sobre vida, consumo, caminhos... Obrigada mais uma vez pelo seu blog, Fernanda! Muita paz na sua caminhada! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Ellen! Eu que agradeço pelo comentário e por me acompanhar nessa caminhada.
      Não acho seu motivo louco de forma nenhuma. Também penso nisso. Esse mundo está muito cheio, e a população só aumenta, enquanto isso os recursos naturais disponíveis só diminuem (por nosso consumo inconsequente). Nossa sociedade também não está nada fácil. Só se pensa em dinheiro e poder, e eu sinceramente não acho legal criar uma pessoa nesse contexto. Estamos juntas nesse sentimento. Vamos que vamos ;)

      Excluir
  19. Fico feliz com a possibilidade que as pessoas se dão hoje de refletirem sobre esse grande passo na vida. E triste apenas por aqueles que ainda acreditam que ninguém deve assumir a possibilidade de não criar um filho. Ainda que eu acredite que ser pai/mãe deva ser uma experiência incrível e única dentro dessa viagem louca que é a vida e que a decisão de ter filhos nem sempre é muito racional (mais despesa, mais trabalho, menos sono, menos tempo, menos lazer, mais alguém com quem se preocupar) mas sim instintiva (talvez um desejo de desafiar nossa morte e deixar uma semente no mundo, ou o desejo de amar mais alguém na vida), talvez ela também seja um pouco egoísta (“ter” um filho para “ter” companhia, “ter” amor de volta, tornar-“se” uma pessoa melhor). Enfim, são várias visões e sentimentos, todos misturados, às vezes. E ninguém está errado! Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Nathália. Cada um tem seus motivos para ter ou não, e nenhum deles é mais legítimo do que o outro, desde que a responsabilidade pela criação do filho seja realmente assumida. Concordo com tudo. Abração!

      Excluir
  20. O que você fez nesse post é muito legal e louvável. Deu voz pra muitas mulheres que pensam e não conseguem externalizar com facilidade que não querem. Acho que a partir da sua coragem muito tranquila de escrever, outras pessoas tiveram a coragem de concordar e mesmo as que tem filhos assumiram a seriedade da escolha.
    Certa vez li um artigo sobre pais (homens) que tiveram depressão após os nascimentos dos filhos. Havia depoimentos de psicólogos que diziam que isso era muito comum.
    O depoimento de um pai anônima dizia "Amo meus filhos, mas, reconheço que a vida era melhor e mais confortável antes deles".
    Eu realmente acho que esse tipo de opinião e postura tem que ser mais divulgada pra gente ter uma sociedade mais feliz e menos ditada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Theo! Imagino como deve ser difícil para quem tem filhos falar sobre qualquer arrependimento relacionado a eles. É um tabu tão grande! Parece que, se você demonstrar qualquer sentimento que não seja a mais absoluta felicidade em relação à maternidade ou à paternidade, quer dizer que não ama seus filhos. Mas não tem que ser assim. Inclusive, para termos relações mais saudáveis com os filhos, é preciso conversar honestamente. Imagino como uma nova mãe ou novo pai deve se sentir sozinho e até culpado por não se encaixar nesse conto de fadas idealizado de felicidade 100%. Ter filhos, como tantas coisas na vida, deve ser uma escolha consciente. Obrigada pelo comentário :)

      Excluir
  21. Fe, eu era exatamente como você, nunca tive sonho nem idealizei ser mãe, casar, constituir família... mas acabou que eu casei e há 1 ano e meio nasceu minha bebê! rs... Acho que existe um ponto fundamental que o pessoal já levantou aqui: o companheiro. Especialmente nesse caso em que nao se tem o instinto da maternidade super aflorado. Um companheiro pai parceiro é fundamental e faz toda a diferença, porque realmente nao é fácil nem dividindo bem as tarefas, imagine tocando tudo sozinha como muitas mães. É de esgotar e dar depressão mesmo! Creio que se nao tivesse encontrado o parceiro ideal nunca teria engravidado. E vc faz muito bem em pensar com tanta cautela porque é tudo isso que você disse mesmo, sem tirar nem por. Por outro lado, uma coisa que ouvi mto também foi que se eu pensasse muito, eu nunca escolheria ter filhos. No meu caso concordei em partes e realmente nao esperei ter 100% de convicção, e acho que nunca teria mesmo. rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acho que o parceiro faz toda a diferença, Evelize. Tenho certeza de que o meu seria um ótimo pai. Dividimos todas as tarefas, e acho que não seria diferente com um filho. Mas... Mesmo assim... Não quero. Hehe... Acho super legal, incentivo e entendo quem quer. Mas eu não quero. e meu parceiro também não. Então ficamos assim.
      Mas acho normal quem escolhe outro caminho. E nem tenho toda certeza de que um dia eu não vá querer ter um filho. Vai saber...

      Excluir
  22. Respostas
    1. :)
      Já estou nos 36. Mas hoje em dia não tem taaanta limitação assim de idade.

      Excluir
  23. aliviada de ter pessoas com mesmo sentimento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também, Roberta! Estamos juntas! Hehe...

      Excluir
  24. Adorei a ideia da moça acima de adotar uma criança maior. Existe algo mais minimalista pro mundo do q adotar?

    ResponderExcluir