quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Evitando preocupações

Lembro quando eu era adolescente, no início dos anos 1990, e minha família toda começou a ler Dale Carnegie, lembram dele? Como eu sempre gostei de ler, fui na onda e li dois livros dele. Do "Como fazer amigos e influenciar pessoas" eu lembro só da dica de chamar as pessoas pelo nome, coisa que eu pratico até hoje porque vejo que as pessoas realmente ficam felizes e porque me sinto mais próxima delas quando o faço.

Mas uma dica que eu lembro sempre e que me ajuda muito a ser feliz é uma do "Como evitar preocupações e começar a viver", que dizia que, diante de uma situação complicada, imaginar a pior consequência possível e pensar em como resolvê-la. Na maioria dos casos, você vai ver que está se preocupando desnecessariamente.

A verdade é que poucas coisas com as quais nos preocupamos na vida são realmente tão o fim do mundo assim como parece na hora. Então, quando eu tenho uma apresentação para o dia seguinte na empresa, ou estou atrasada para um compromisso, ou outra situação que me faz começar a entrar em pânico, sempre penso duas coisas. 

A primeira é: se eu chegar atrasada mesmo ou chegar meio despreparada para a reunião, qual é o pior que pode acontecer? É a pessoa que está me esperando ficar com raiva? Então já vou ligar pra ela e avisar que posso atrasar. É eu perder a sessão do cinema? Vou outro dia ou em uma sessão mais tarde. É eu chegar na reunião e ter que enrolar, pedir para as pessoas participarem? 

Depois eu penso em outra técnica que eu já contei aqui: do que vale isso daqui a dez anos?

O Dale Carnegie. Peguei a foto aqui. Crédito: AP

14 comentários:

  1. Fernanda, adorei essa dica sua. Essa de chamar as pessoas pelo nome eu já tenho aplicado. Acho muito legal também! Agora essa de evitar preocupações preciso começar a aplicar no meu dia. As vezes confesso que faço meio que uma tempestade pra coisas pequenas e acaba que nem era tudo isso e eu gasto energia com uma coisa pequena e desnecessária... :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gostou, Bruna. Eu também faço tempestade em copo d´água às vezes, e por isso estou tentando me controlar. Vamos em frente que a gente consegue ;)

      Excluir
  2. Eu li o "Como fazer amigos" uns anos atrás e me fez mudar um pouco a maneira de agir, apesar de vez ou outra eu esquecer e ter que relembrar de algumas coisas. Acho que o que mais aprendi com o livro foi admitir que estou errada (se estiver, claro) o mais rápido possível e tentar ver o ponto de vista da outra pessoa o melhor possível. Agora essa de me preocupar é difícil, eu sou uma pessoal que se preocupa muito fácil com qualquer coisa e é algo que venho tentando trabalhar sem muito sucesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carol! Nem lembrava dessa parte de admitir erros, mas tem toda razão. Acho que vale até a pena ler os livros de novo. Quando eu li, eu era muito nova. Devia ter uns 13 anos. Nem entendia muitas das coisas faladas ali. Sobre o se preocupar muito, é uma coisa que eu também tenho, mas aos pouquinhos vou melhorando. Tem que ir com calma mesmo e não se cobrar tanto, ou a gente acaba criando ansiedade por não conseguir controlar a ansiedade. E aí vira um ciclo vicioso. Hehe...

      Excluir
  3. Oi Fernanda! Essa dica de chamar as pessoas pelo nome minha mãe aprendeu num dos cursos da filosofia de Dale Carnegie e me ensinou. Eu também me pergunto se algo agora valerá a pena daqui a alguns anos e ajuda muito. Coloca mesmo a vida em perspectiva. E na maioria dos casos, a resposta é não, não vale a pena.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Letícia. Minha família toda fez vários desses cursos e todos gostaram muito. Foi por isso até que minha mãe comprou os livros, e eu pude lê-los. Também gosto de colocar a vida em perspectiva. Ajuda muito. Abração!

      Excluir
  4. Poxa, eu li o primeiro livro a muito tempo e nem lembrava da dica. Acho que vale à pena ler de novo, não é? Eu sou uma pessoa bem preocupada e ansiosa, então para driblar um pouco essa dupla, tenho tentado evitar o que causa a ansiedade por exemplo. Se tenho um compromisso e fico preocupada e ansiosa com medo de chegar atrasada... eu levanto mais cedo, até mudo a minha rotina, para chegar mais cedo e não ter esse fator que sei que dispara a ansiedade. Ás vezes consigo, às vezes não. Mas quando faço, funciona que é uma beleza!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu só lembro dessa, Andreia. Também acho que vou ler de novo. Hehe... Eu faço muito isso que você falou também, de fazer tudo com antecedência e com o máximo de segurança para evitar o stress. O problema é que, quando mesmo assim algo foge do meu controle, eu fico louca, me culpando. Por isso estou tentando relaxar também nesses casos. Não é fácil, mas vamos em frente :)

      Excluir
  5. Aprendi essa “técnica” de pensar no pior que pode acontecer numas sessões de terapia da linha cognitivo-comportamental. É realmente muito útil para pessoas ansiosas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha... Que legal! É muito útil mesmo :)

      Excluir
  6. Fernanda, o comentário é totalemnte off-topic, mas achei dois artigos muito interessantes na web e acho que têm tudo a ver com o minimalizo e, de qualquer forma, vc vai achar interessante:

    http://www.ihu.unisinos.br/noticias/noticias-anteriores/30708-ha-uma-infantilizacao-da-relacao-com-as-mercadorias

    http://mozartls.blogspot.com.br/2013/05/sociedade-infantilizada.html

    ResponderExcluir
  7. Olá, acabo de visitar seu blog e segui-lo. Lhe desejo foco, sucesso e força. Que conquiste muitas realizações através do mesmo. E também convido você e seus/suas leitores/leitoras a conhecer o meu blog: toobege.blogspot.com.br . Beijinhos e espero você lá também *0*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Mariana! Obrigadinha! Muito sucesso e força para você também. Fofo o seu blog. Parabéns! Beijinho

      Excluir