segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Peso: saúde X padrão de beleza

Antes de me desapegar dos objetos, me desapeguei de muitas noções bobas que só serviam para me prender. Entre elas, a noção de que mulheres tem de estar sempre belas, ou de que beleza feminina = valor pessoal.

Para mim, foi muito libertador. Entre outras coisas, decidi que nunca mais perderia tempo fazendo dieta (porque eu já quis ficar mais magra, mesmo já o sendo) ou frequentando academia de ginástica (que eu odeio).  

O que é ótimo. Só que, se deixar por minha conta, meus grupos alimentares básicos são chocolate, batata frita e sorvete. Nesta viagem ao Sudeste Asiático, então, estou aproveitando para matar a fome, toda vez que a comida local é suspeita (e eu acho quase tudo suspeito), como batatinhas Pringles e barras de Mars.

Imagino que isso estejam se refletindo na minha taxa de colesterol ruim, que nunca foi muito santo. Mas, como eu não pretendo fazer um exame de sangue enquanto estou viajando, o reflexo visível é mesmo na calça jeans, que começa a ficar difícil de fechar.

Aí fico naquele dilema: diminuir os doces e as frituras é me curvar às exigências da sociedade quanto à aparência feminina ou é cuidar da saúde? Porque vocês sabem: quando o assunto é mulher, a mídia (e o "senso comum") vende saúde e beleza como a mesmíssima coisa.

12 comentários:

  1. Eu sou completamente a favor da saúde. Se você não quer emagrecer por conta das "exigências da sociedade", troque a palavra Dieta por Reeducação Alimentar. As pessoas veem com outros olhos, rs.

    ResponderExcluir
  2. Lud, sempre falo aqui em casa para meus filhos que acho pessoas gordas bonitas e acho mesmo! Então, para mim gordura não é e nunca foi questão de beleza. Sempre alerto que alimentação saudável é importante, não pela beleza, e sim pela saúde. Penso que eles entenderam porque não comem salgadinhos, bolachas recheadas e evitam muitíssimo fast food. São magros, não por beleza e sim por saúde. Pense nisso!!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Saúde, sempre. Mas você tem que se sentir bem com seu corpo. A questão é não emagrecer por causa do que a sociedade considera ser "bonito"... e sim pra você ficar satisfeita com você mesma. Se os quilos a mais não te incomodam, compre umas roupas de número maior e seja feliz, se não, controle um pouquinho que logo a calça volta a fechar =)
    Eu sempre fui magra, mas nunca tive um corpo "modelo" e odeio academia então nunca me preocupei em frequentar, porque chegar no ideal de beleza não me interessa. Já os quilos a mais me incomodam, engordei um pouco no fim do ano passado, suficiente pra nenhuma roupa que eu tinha ficar boa, calças não fechavam, blusas marcavam muito. Eu poderia ter assumido a forma mais fofinha, mas eu estava me achando tão feia que não quis fazer isso. Parei com os doces, emagreci uns 3 kg só, mas as roupas voltaram a servir e tô MUITO feliz, mesmo longe do ideal de beleza que existe por aí. Aliás, com tanta coisa que a vida traz, idade, filhos, responsabilidades, pensar em ideal de beleza simplesmente não tem lugar na minha realidade :-)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Lud, magreza e saúde não andam necessariamente juntas. Conheço pessoas muito magras com índices de saúde péssimos e pessoas acima do peso (pelos padrões de beleza atuais), com ótima saúde. Inclusive saíram algumas pesquisas recentemente que o índice de morte de pessoas com sobrepeso (imc 25 a 30) é menor do que as com imc menor que 25. Posto isso, é muito difícil estar fora do padrão de beleza e o fato de você não fazer ou não exames não vai mudar o nível do colesterol. A única diferença é você saber ou não. Mas você pode ser obrigada a comprar roupas novas, porque as antigas não servem mais (meu caso). E, com a idade, vai ficando cada vez mais difícil perder peso (meu caso também). E mais ainda no meu caso, o problema principal do fast food é acostumar o paladar com comida muito salgada e doce, para voltar a comer saudável é muito mais difícil, porque comida de verdade não é tão salgada e frutas não são tão doces quanto chocolate. O meu colesterol é muito bom, o bom é ótimo e o ruim é superbaixo, mas já tive deficiência crônica de ferro e de algumas vitaminas por comer mal durante quase toda minha vida.

    ResponderExcluir
  5. Lud vou dar minha opinião sobre esse assunto e ela vai parecer bem contraditória. Emagrecer ajuda (e muito) a simplificar a vida.

    Sempre fui aquele tipo violão, da cintura fina e quadris largos. Nunca me incomodei com isso, nem achei o máaaaximo. Digamos q eu não curtia usar roupa colada, mas tb não tinha problemas em as pessoas me acharem “gostosona”.

    Só q eu casei e engordei 16 quilos. E cara, minha vida ficou um inferno. Pq nada serve, vc fica comprando roupas cada vez maiores, paga caro pra entrar em roupas q nem são do seu gosta e TEM Q COMPRAR SOB PENA DE NÃO TER O Q VESTIR.
    Lembro nessa época, de ter calças tamanho 40, 42, 44 e 46 no meu armário. E mesmo com tanta roupa, sempre me sentia SEM ROUPA entende?

    Aí durante um período de trabalho estressante perdi 4 quilos sem sentir. E isso me motivou a ter uma alimentação mais saudável, comecei a correr na praia, fiz drenagem linfática e massagem modeladora. E em 6 meses tava com 60 quilos, correndo 5KM, uma nova mulher (a corrida transformou a minha vida em TODOS os aspectos).

    Sabe o q aconteceu? Pude saber mais sobre o meu gosto pessoal, refinei minhas escolhas, me livrei de sei lá...70% do meu guarda roupa. Sinto-me ótima e sim, mais bonita. A vida ficou mais leve, mais simples. Coloco uma calça jeans uma blusa de seda branca e tudo cabe em mim e combina entre si. Hj eu demoro 15 minutos pra ficar pronta, antes 40(!!!).

    Então é bom ficar ligada pra que desafio às convenções sociais não interfira na nossa saúde e bem estar. Pq periga a gente usar esse discurso de “não vou me adequar aos apelos dessa sociedade patriarcal e consumista etc...” pra descuidar de si mesma.

    Palavras de quem já fez muito isso. ;-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, concordo com vc 100%. Minha vida era MUITO mais fácil qd eu tinha 9Kg a menos, era bem magra...qualquer roupa cabia e não me incomodava, calças não apertavam, decotes não ficavam vulgares...não é preciso ser magrela, esquelética, ter corpo de modelo, nada disso. Mas é mais fácil vestir 40, 42 do que 44, 46. Ainda mais quando se é alta (1,79m) e com pé grande (40), como é o meu caso!! Ou seja: não acho calça, saia, vestido (e a moda de roupas curtíssimas ainda piora), e sapato nunca achei mesmo. Me vestir é uma luta! rsrsrs Escarafuncho a Renner e saio de lá com um vestidinho bem mais ou menos, "só porque cabe". Quero perder pelo menos 7 dos 9Kg não pra ficar gatinha no biquíni, mas pra facilitar minha vida de novo...!

      Excluir
    2. "Mas é mais fácil vestir 40, 42 do que 44, 46." Isso é fato, Renata. E tenho a impressão de quanto mais chique a loja menor a numeração máxima das araras. Na Renner e Riachuelo eu ainda achava coisas, mas na Forum...Cêjura.
      Agora, manequim 40 com 1,79m? Tu és praticamente uma modelo...rsrs

      Excluir
    3. haha. 40 fui até uns 18 anos...estacionei no 42, ficando confortável, até ter 2 filhos em 1 ano e meio. rs. Agora a mais nova já tem 2 anos e estou no 44 apertado! Alta e pesada, fico mais grandalhona que a Claudia Raia. Difícil ralar pra voltar ao corpitcho de antes, que eu nem me esforçava pra ter :(

      Excluir
  6. diminuir os doces e as frituras é me curvar às exigências da sociedade quanto à aparência feminina ou é cuidar da saúde?
    sem dúvidas, é cuidar da saúde, ainda que tenha como reflexo a perda de peso que é, sim, exigência da sociedade quanto à aparência.

    ResponderExcluir
  7. Olá, Lud! Tenho lido os posts do Lud e Leo pelo mundo e estou amando. É muito legal saber das aventuras de vocês, ver fotos, pegar dicas ótimas de viagem. E lá a gente vê também que vocês são bem fãs de fritura/fast food. Não tenho uma alimentação perfeita, não conto calorias (fico chocada com essas pessoas que sabem o quantidade de calorias de tudo!) e como um chocolate de vez em quando. Mas tento me alimentar bem, comer um pouco de tudo e não como muita fritura porque acho enjoativo (mesmo escovando os dentes, fica um gosto estranho na boca, sei lá.) Aí o fast food acaba não me atraindo. Olha, não fica chateada comigo, só estou comentando porque você fez este post, não costumo dizer o que os outros devem ou não comer, até porque não sou nutricionista. Maaaas, já que você pediu a nossa opinião, acho que essa coisa de fritura/açúcares/fast food deve fazer muito mal pra saúde sim. Pensa na quantidade de corantes, conservantes, naquele óleo que é reutilizado mil vezes na fritura... E padrões de beleza à parte, é muito bom manter o peso, assim você pode usar as mesmas roupas sem problemas, sabendo que elas ficarão confortáveis. Beijo e ótima viagem! Alexandra

    ResponderExcluir
  8. talvez esteja dificil ter uma alimentção saudavel viajando,mas comer quase todos os dias frituras e doces n é legal para a saude,procure comer comidas cozidas q são bem mais saudaveis e compre frutas as tenha sempre no quarto e na bolsa, isso é o q eu acho saudavel e é o q eu tentaria fazer.Bjos, desejo muita sorte nas suas viajens, os posts estão super bacans,xau :)

    ResponderExcluir
  9. Ai, to nessas. ter uma barriguinha "aproveito a vida" ou cair na lenga lenga de querer ser 100% "lisa"?

    Meu colesterol anda bem mal das pernas, mas acho que nem tanto por alimentação.

    O problema de tudo isso: gasto com atividades fisicas, ainda mais quando você não é disciplinado pra fazer em casa :P

    Cadê meio termo? :\

    ResponderExcluir