sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Meus brincos de brilhante

Lá em 2006, quando eu ainda achava que bens materiais eram prova de sucesso, pus na cabeça que eu queria ter brincos de brilhante. Quando estive em Amsterdã, achei que era uma "oportunidade" comprar os brincos direto do fabricante - isto é, mais barato do que no Brasil. Na época, eu não sabia que a De Beers estocava diamantes para aumentar artificialmente o preço, e também não conhecia o drama dos diamantes de sangue.

Enfim. Fui na lojinha e espiei os brilhantes.  Enquanto pensava, vi na saída brincos iguaizinhos, só que de zircônia, isto é, muito parecidos e milhares de vezes mais baratos.

Os brincos
O pão-durismo ganhou: comprei os brincos de zircônia (por 10 euros, se não me engano) e saí por aí.

Hoje eu morro de rir dessa história. Fico feliz de não ter gasto uma grana em um produto cujo preço, devido a estratégias de mercado, não corresponde a seu valor intrínseco. E tem outra: como eu vivo perdendo brincos, provavelmente meus brilhantes ficariam eternamente na gaveta.

Aproveitando o gancho da Fê, que falou de bijuterias no último post: faz um tempo que eu deixei de usar balangandãs. Já houve um momento em minha vida em que considerava anéis, pulseiras e colares acessórios importantes, e até quando viajava carregava umas opções para trocar. Sem falar que, como a maioria das mulheres, vivia ganhando bijus em datas festivas.

Fui diminuindo e gostando, até porque sempre achei chato aquele ritual de abrir fechos pra tomar banho e dormir. Também me livrei da preocupação de combinar a roupa com o estilo e o metal dos blingue-blingues.

Agora só uso a aliança e meus brincos de brilhante, opa, zircônia. Gosto de pérolas também (eu tinha um par de brincos de de pérolas de Maiorca, aqueles que não é de verdade verdadeira, mas só recobertos de nácar: eram lindos e ótimos, mas um deles descascou.

3 comentários:

  1. Dizem que a Audrey Hepburn no dia a dia usava só um par de brincos de pérolas, e nada mais. Quem somos nós pra contestar, né? Rs...

    Qdo alguém falar "Puxa, mas vc devia usar um colarzinho, um anelzinho...", é só dizer "Audrey Hepburn não usava". Pronto.

    ResponderExcluir
  2. Eu uso relógio pq não sei ficar sem. Uso aliança de vez em quando. E tive que tirar meus brinquinhos de pérola porque o filhote mais novo é ninja, e consegue se machucar no pininho do brinco que fica ATRÁS da orelha. (mas que estou com saudade das pérolas estou - minha única beleza, snif)

    ResponderExcluir
  3. Sempre usei o básico, relógio e nada mais, isto na juventude. O anos passaram, sou da geração anos 60, me apaixonei pelos brilhantes. Sou réu confessa, amava brilhantes. Mas tudo passa, e eles também. Fiquei 12 anos exatos sem usar joias, hoje além da aliança, espero pelo meu brilhante ou zircônia que ainda não escolhi, mas virá. Não creio que isto seja consumismo ou não, mas om senso.

    ResponderExcluir